NOVELA - Aprendendo a confiar em Deus – Capítulo 3: A chegada em Guabiruba e um fim de semana perfeito

Sexta, 6 de agosto.

Como mencionei, fui de leito e a viagem foi bem repousante. Cheguei em Balneário por volta de 6h35. Esqueci de comentar que naquela semana, nevou em Santa Catarina. Pensa no medo da criança aqui. Eu amoooo frio (mentira...eu odeio o frio) e eu estava com muito medo de congelar. Minhas roupas todas eram o mais quente que eu tinha e levei uma coberta para cobrir as pernas. O engraçado foi que deixei São Paulo a 13C e cheguei em Balneário Camboriú com mais ou menos 16C. A sensação térmica era de um clima ameno.

Ao desembarcar, foi a missão de procurar a empresa que vendia a passagem pra Brusque. Assim que eu encontrei, comprei a passagem e fiquei esperando o ônibus chegar. Foi dando uma vontadezinha de ir ao banheiro e conversei com o moço da empresa do bus em questão, que disse pra eu ir tranqüila que, além de cuidar da minha mala, ele seguraria o ônibus pra mim.

Cheguei frente ao banheiro, procurando por um portãozinho por onde eu pudesse passar e só vi catracas. Falei à moça da “recepção” que eu queria ir ao banheiro e esta me deu a chave do dito e me apontou onde este estava. Eu fiquei pensando na mente do andante... Sempre generalizam a capacidade ou a limitação dos portadores de deficiência. Acho que deveria haver uma conscientização um pouco maior dos órgãos públicos, empresas, sei lá, para que as pessoas tivessem um tato melhor.

Só um break pra reflexão:

Você mesmo, que está lendo o blog, pode ser que você nunca conviveu com um deficiente. Não estou sugerindo que você corra atrás de um, a fim de que os seus olhos sejam abertos. Eu, particularmente, não exijo muito... hehehe É sério! O que eu quero é uma sensibilidade por parte dos companheiros, que se disponibilizam a me ajudar, que pergunte como e o que fazer e queira fazer como eu orientei. Uma vez quase me derrubaram de uma perua em São Paulo, pois queriam ajudar, nem me perguntaram como, nem me ouviram falar onde pegar. Eu conheço a minha cadeira, meu corpo e sei onde pegar e o que fazer.

Continuando a história, ficou combinado de o Jairo me pegar na rodoviária em Brusque. Ao chegar na rodoviária, eu senti uma dificuldade pra subir uma rampa, a fim de ir até o restaurante. Uma rampa totalmente fora dos padrões legais e eu parei no começo da rampa e esperei até que passasse alguém pra me ajudar. Não poderia subir sozinha, pois eu poderia empinar, já que eu estava puxando uma mala e não conseguiria mesmo. Aí passou uma moça, me oferecendo ajuda. Fui até o restaurante, a fim de tomar café. Pedi um pãozinho na chapa e um leite com um pouco de café e enquanto eu aguardava, resolvi dar uma olhada lá fora e como o Jairo disse que viria com a sobrinha de Kadete, vi um estacionando. Com isso, precisei cancelar o pedido e fui ao encontro do Jairo e da Tita.

A princípio, fomos na casa da Tita, já em Guabiruba, pois ela precisava fazer faxina na casa. Eles discutiram como e onde eu dormiria. Eles consideraram a idéia de eu dormir na casa da Tita, ou na casa do Jairo e a Tita dormiria comigo. Bem, depois que viram uma certa independência e a confirmação de que eu não acordo de madrugada pra nada, fiquei na casa do Jairo mesmo e ela só foi no sábado de manhã me ajudar a me trocar para irmos na igreja.

Depois do jantar, o Jairo me deixou um cadim sozinha, pois teve de ir à igreja para o ensaio do coral. Não demorou muito, principalmente porque eu tinha um notebook e internet pra me distrair.

Assim que ele voltou, chegou o pessoal do grupo dele - Laudi Vocallis - um grupo muito bom, para ensaiarem. Pude contemplar o ensaio e até cantar uma música com eles, com a desculpa de ajudar uma soprano novata e ela não sabia a voz da música Dê uma chance, do Novo Tom. Como precisávamos descansar para o batente do sábado, fomos dormir logo.

Guabiruba, sábado, 7 de agosto.

Bem, a Tita foi por volta de 8h me acordar e me ajudar com a roupa. Na igreja de Lageado Baixo, como é pequena pra tantos membros, o sistema de culto é sanduíche - culto, escola sabatina e culto. Como eu precisava cantar na escola sabatina, tivemos de acelerar um cadim. Fomos pra igreja, cheguei bem na hora de cantar, cantei a música Acredito em Ti, da Príscilla, com alguma dificuldade, pelo fato de a voz não estar aquecida e eu não conseguia alcançar algumas notas. A manhã foi muito boa e fomos almoçar e o Jairo fez empadão de palmito, que eu estava doida pra comer.

Enquanto nos preparávamos pra comer, o Cristiano, diretor JA da igreja, foi até lá, querendo marcar um horário para conversarmos sobre mim, para o programa JA. Como eu não sabia como seria o tempo depois do almoço, passei pra ele o meu blog, para que ele tivesse uma idéia da minha vida, de algumas peripécias minhas.

À tarde, no JA, houve uma divisão de foco, pois era o findi dos pais e sabe como é em programações assim. Cantei, contei bem pouco de mim. Deu um break para a homenagem aos pais. Bem, o Cristiano gostou da postagem das quedas, com ênfase ao desejo de andar de SAMU. Foi muito hilário o momento e todos ali presentes riram; acho que eles pensaram que sou louca... talvez não estejam de todo errados...rss

Ao final, consegui vender 10 CD's e agora teria dinheirinho para pagar algumas continhas... eeeeeeeeeee À noite, assistimos a alguns videos no Youtube e depois fomos dormir.

Domingo, 8 de agosto de 2010.

Bem, pude dormir um pouquinho até mais tarde. A Tita, dessa vez, não pôde me ajudar, pois tinha compromisso com algumas filmagens do grupo em que ela canta. Eu achei que não precisaria de ajuda logo cedo, mas o "número 2" insistiu em pedir pra ser liberto. Com isso, o Jairo foi chamar a sua prima, vizinha, para me ajudar no banheiro. Ao tirar a roupa, vi que o Francisco também tinha me visitado... aquele chato que visita mensalmente... Pensei: agora danou-se, pois o fluxo é intenso e seria constrangedor viajar neste estado. Fiquei preocupada também, pois não tinha levado socorro para este momento. Entretanto, a irmã do Jairo, que é dona da casa onde ele mora e mãe do Naninho e da Tita, tinha deixado um pacote do “salvador” noturno da última vez em que fora lá, o que foi perfeito pra mim.

Bem, o dia correu rapidamente e à noite, aproveitando que eu estava por lá, me chamaram pra cantar no culto, o qual foi, em sua maior parte, uma exposição de fotos da Conferência Geral, em que o pastor, com a sua família desfrutaram. Bem, durante uns 40 minutos, foi esta exposição e só pra não dispensar o povo sem a Palavra, o pastor fez um sermonete sobre a volta de Jesus. Tem muita gente lendo esta postagem e lembrando-se deste dia...

Não dormi muito tarde, pois estava bem cansadinha.

Um comentário:

  1. OLÁ MILENE TD BEM?
    AGORA SOU TUA SEGUIDORA, ESPERO TE VISITAR SEMPRE....
    E APROVEITO PRA VOCÊ VISITAR O MEU BLOG
    superandoosobstaculos.blogspot.com
    BJS

    ResponderExcluir