Voltei!

Nossa, nem acredito que passei tanto tempo longe do blog e, consequentemente, de vocês.
Bom, muitas coisas ocorreram desde a minha última postagem. Ainda estou me recuperando das fraturas e ainda não consegui dobrar as pernas totalmente. Temo não conseguir mais a flexibilidade que eu tinha antes.
No fim de setembro, eu ganhei uma semana no Cevisa, uma espécie de spa, um lugar para a reeducação da saúde. No fim da semana, ganhei mais uma e consegui eliminar as dores que sentia, fazendo hidroginástica.
Lá, me convidaram pra trabalhar com eles, mas até hoje não desenrolaram para que eu comece. Eu não queria aceitar, pois o salário é muito pouco e eu preciso pagar as dívidas acumuladas com o desemprego, mas resolvi dizer SIM por conta do tratamento de hidro e fisio que eu poderia ter, a fim de me recuperar. Era para eu ter começado no último dia 01, mas nada até agora.
Domingo eu presto concurso para Engenheiro Coelho. Quem diria eu, que queria ficar em São Paulo e voltar pra cá apenas para visitar meus pais, estou não só de volta, mesmo que em função do incidente, como estou arrumando trabalho por aqui.
Mas enquanto nenhuma das portas são abertas, tenho vendido TRUFAS! Comecei no dia de finados e peguei 150 trufas de duas vizinhas e fui vender com o Rani, um amigo, no Cemitério de Cosmópolis. Eu consegui vender pelo menos 90 trufas naquele dia, mas rachei toda a venda com o meu amigo. Depois disso, passei a pegar trufas diariamente para vender, na faixa de 50 por dia.
Minha mãe, vendo que eu vendia até bem, decidiu fazer trufas, a fim de conseguir um extra. Ela se apaixonou pelo trabalho e agora é quase meia-noite e ela está na cozinha fazendo trufas.
Tenho vendido bem, graças a Deus. Mas preciso conseguir uma grana até o dia 28 para pagar o banco e espero conseguir com as trufas.
Ah, outra novidade: terminei de escrever o livro. Volta e meia estou revisando-o, a fim de o deixar melhor possível, mas já entrei em contato com algumas editoras, ainda que meu sonho é publicá-lo pela Casa Publicadora Brasileira, a editora da Igreja Adventista. Não é exclusivismo, por eu ser adventista, mas é que, pelo fato de a Casa estar em praticamente todo o pais, a divulgação é maior e com isto, conseguirei mais meios de as igrejas de todo o Brasil entrarem em contato comigo para eu fazer aqueles programas de testemunho e músicas.
Ano que vem tem um DVD chegando também. Consegui convencer um grupo de formandas de Jornalismo, as quais precisam fazer um documentário como Trabalho de Conclusão de Curso e farão sobre a minha vida. 
Como podem ver, há muitos planos para 2012 e muitas coisas ocorreram comigo. Sinto apenas pelo fato de ainda estar sozinha, mas sei que Papai do Céu está preparando a pessoa certa para mim.
É muito bom estar de volta e pretendo escrever mais, a fim de não ficar muito na ociosidade.
Bjs e ficam com Deus

Tudo Simplesmente Coopera Pro Bem

Acho que acabei tirando umas férias do blog. Foi porque eu não estava muito bem para escrever, não tinha novidades para contar e a novela, achei que ficou muito grande e cansativa.
Resumindo a minha saga do ano passado, depois da cirurgia, fiquei 6 meses na cama, sem poder sair pra nada, a não ser ir no retorno ao hospital. Tive de aprender a dormir praticamente sentada e gritei por dois meses seguidos, pois a dor era muito grande.
Basicamente, me senti esquecida. Alguns me visitaram uma ou duas vezes e algumas outras foram muito legais comigo e vinham em casa estudar a Bíblia aos sábados comigo. Mas no geral, eu fiquei muito sozinha e acho que fui tão detalhista em meus relatos, pois não tinha mais o que fazer.
Em dezembro, tirei as talas e então seria a hora de começar fazer as pernas dobrarem. Quanta dor! Mas aos poucos fui me adaptando e indo com mais frequência para a cadeira.
As pernas ainda doem, mas isso se deve ao fato de que tenho feito pouca fisioterapia e talvez seja por isso que elas não dobrem totalmente. Minha mobilidade e o pouco de independência que eu tinha foram muito afetadas e na próxima semana terei retorno com o médico, quando falarei das dores e de uma provável cirurgia para a correção dos joelhos e pés. Os médicos não veem necessidade, pelo fato de eu não andar, mas como tal situação prejudicou o pouco de mobilidade que eu tinha, preciso muito que ele pense em algo.
Mas vamos às novidades:
Não me lembro se citei alguma coisa sobre escrever uma autobiografia. Bom, já estou terminando de escrever e além disso, surgiram algumas outras ideias e oportunidades, como a de publicar também um áudio-livro, algo que tem saído muito nos EUA; também tenho planos de traduzir o livro para o inglês e para fechar com chave de ouro, ano que vem, um grupo do quarto ano de Jornalismo fará um documentário sobre a minha vida, o qual mais tarde será transformado em um DVD super legal com a minhas história e músicas inéditas cantadas por mim e alguns amigos. Ah, o título do livro e do DVD será "Tudo Simplesmente Coopera Pro Bem", gostou? Espero que sim.
Além de tudo, dia 24 terei uma entrevista na IBM, onde espero conseguir um bom emprego e, assim, poder limpar meu nome, ter mais condições de me cuidar e também ser de utilidade para a empresa, obtendo reconhecimento por meu trabalho e dedicação, onde me ocuparei, impedindo mais ainda de pensar besteira.
Estou me preparando para o começo do sábado. Tenha um fim de semana fantástico!

Novela: Aprendendo a confiar em Deus - Capítulo 10: Mais um Diário

Limeira, 27 de agosto de 2010
Eu acordei várias vezes nesta noite. Orei muito, pois além de eu não estar pronta pra morrer, eu espero não ter de fazer transfusão, pois desejo continuar a cumprir com os meus deveres de cidadã e doar sangue. Hoje, 8 pacientes do CECOI = enfermaria da ortopedia = serão operados e cada vez que a maca chega pra buscar um, dá um gelo da barriga. Tem um cara aqui, o primeiro que foi pra sala de cirurgia, que quebrou a tíbia. Ele estava contando para os outros que ele estava 'noiado" quando caiu. Segundo uma enfermeira que o conhece desde pequeno, ele era perfeito, mas agora é notório que ele tá meio "escapa a quarta". A criatura fala alto pra caramba e dorme num pulo. Aí são os roncos... a bitoneira.
Voltando a mim, bem, cada vez que ouço o som de rodinhas, dá um calafrio, pois penso que é o maqueiro do centro cirúrgico.
4h, 5h, 8h, 11h, 14h, 17h esperando ser levada ao centro cirúrgico e nada. Dezessete horas sem comida, nem água e com dor nos calcanhares, em função do gesso pegando neles. Muda os pés de posição, melhora por alguns minutos e logo depois, eles doem de novo.
Vendo minha dor, minha mãe foi se cansando, cansando, ao ponto de ir ao centro cirúrgico perguntar se não iriam me operar. O enfermeiro-chefe do setor mostrou à minha mãe a lista de pacientes e disse que não havia mais reservas de cirurgia para a Ortopedia. Vendo o desespero da minha mãe, o enfermeiro ligou para a Administração e a assistente social "repreendey" o residente, Rodrigo Rossi, que subiu aqui no CECOI feito um dragão. Aí discutiu com a minha mãe, dizendo que a ortopedia não ficava no centro cirúrgico. Minha mãe replicou, dizendo que eu e o outro rapaz, que estávamos sendo tratados como animais... bem, eu não falei uma palavra, pois eu estava bem, mas estava sensível à situação e o que eu sabia fazer, assistindo à cena, era chorar.
O jejum dos dois foi suspendido...

Novidades

     Eu demoro para passar notícias atuais, admito. Mas cá estou para contar novidades e mostrar uma delas. A primeira é que cortei os cabelos. Relutei por tanto tempo, estava com dó de passar a tesoura, mas era preciso, pois os cabelos estavam judiados. Depois que vi o tanto que cortei, arregalei os olhos, pois era muito. Mas enquanto conversava com a cabeleireira e ela fazia o serviço, eu até brinquei, dizendo que precisava fazer valer o dinheiro gasto. Ficou assim:
Bem, mas a carinha ficou bonitinha...rsrs

Quanto à outra novidade, bem, eu estou com um projeto de gravar um DVD agora, no qual contarei a minha história. Sei da importância de motivar aqueles que passam por tantas dificuldades e pensam até em desistir da vida. Quando eu era adolescente, até me passou pela cabeça, mas o Senhor tinha planos maiores para a minha vida e aqui estou pra contar que venci. Ainda há muito o que alcançar e só não estou lutando mais, por estar me recuperando lentamente das fraturas. Mas deixa eu voltar 100%... =P

Outra novi é que mês que vem tem REATECH e quero muito poder estar ali de novo, a fim de pilotar novamente uma moto adaptada. Não viu a foto? Pera, que boto já... Tá aí.... hehehe.
Veremos como será a deste ano. Espero poder contar grandes descobertas.
Tenha um ótimo restante de semana!!!

Bjs   

Novela: Aprendendo a confiar em Deus - Capítulo 9 E o dário em Limeira continua

Limeira, 26 de agosto de 2010
Estava pensando hoje na minha queda e na dor de cabeça que isso trouxe a mim e à minha família. Acho que a minha irmã tá doida comigo, pois assumiu uma responsabilidade que não é dela com os marmitex, a minha mãe já tá inquieta por aqui e eu começo a ficar preocupada se a cirurgia poderá ser adiada mais uma vez. Ao que vontade de voltar no tempo e desfazer toda a loucura de ter ido ver o Jairinho. Se soubesse que seria assim, com as provações enfrentadas no Tietê, não teria ido à ANTT atrás de um ônibus pra viajar.
É provável que a cirurgia ocorra amanhã mesmo, pois duas moças vieram colher sangue, analisar o tempo de coagulação, após tirar a agulha da minha veia.
Estou mais tranquila quanto a cirurgia, pois sinto que Deus ainda tem muitos planos para comigo e preciso cumprir com alguns compromissos e projetos que tenho em mente. Não posso me esquecer de pedir ao Dr. Adolfo para fazer um laudo, relatando o tempo de internação, a gravidade das fraturas e o porquê da necessidade da cirurgia, pois preciso passar isso para o advogado, para correr com o processo contra a prefeitura de Brusque.
Agora são 22h12 e já vou me preparar pra dormir. Estou bem mais tranquila, comparado ao meu desespero de segunda. O medo de ficar na mesa não morreu de todo, mas tô bem mais confiante no poder divino. Já pedi pra muita gente orar por mim, mas sei que há muito mais gente orando para o sucesso da cirurgia.
O cansaço da minha mãe é evidente e é provável que ela vá embora amanhã e a Flávia venha ficar comigo até sábado À tarde.Espero poder escrever alguma coisa amanhã.
Agora, mais do que nunca, sei que voltarei à ativa. Os planos de Deus são bem evidentes na minha vida e Ele presidirá essa cirurgia.
Estou em Tuas mãos, Senhor!!! Em Ti, todas as coisas são possíveis.

NOVELA – Aprendendo a confiar em Deus – Capitulo 8: Limeira, Diário 1

A partir de agora, você vai ler os diários que escrevi enquanto estava internada na Santa Casa em Limeira. Como não tinha internet, nem o que fazer, aproveitei para escrever o que sentia. Afinal, a pressão era grande, já que nunca fizera cirurgia e o medo era grande. Procurei não omitir, até porque não houve necessidade. Enjoy it!!

Limeira, 25 de agosto de 2010.

     Hoje é meu aniversário e pela primeira vez, sinto que hoje foi um dia como qualquer outro, diferenciado apenas pelas ligações de alguns queridos me cumprimentando.
    Estou cada dia mais estressada, pois eu deveria ter operado ontem, mas adiaram pra hoje e de hoje adiaram pra sexta. Estou com pena da minha mãe, bem como da minha família, pois agora que a minha mãe encontrou uma forma de unir o útil ao agradável, fazendo marmitas e nesta semana, a Ellen e o Jairo têm se desdobrado pra cozinhar e der conta dos pedidos.
     Parece que apareço pra complicar as coisas da minha família. Sabe, eu ainda não entendi o porquê que Deus me trouxe de volta de uma forma tão dura e sofrida. Eu saí de casa, a fim de buscar viver humanamente por mim, sem dar trabalho pra minha mãe, mas parece que não é o que Deus quer e não consigo entender a razão..
    Quanto ao meu coração, tudo está tranquilo. Não conheci ninguém que o tenha balançado. Tenho conhecido na net muitos rapazes interessantes, mas sei que não são o que Papai do Céu preparou pra mim.
     Quanto à minha cirurgia, bem, estou mais calma, mas ao pensar no pós cirúrgico, me dá um calafrio. Eu nunca passei por uma cirurgia em que se usa anestesia geral e talvez minha apreensão seja por isso.

NOVELA – Aprendendo a confiar em Deus – Capitulo 7: A internação e a cirurgia

Nossa, tá rendendo a coisa... rs Mas não posso deixar de terminar a história. Mesmo sendo a autora e protagonista da novela, não sei como vai terminar. Espero que tenha um final feliz.
Continuando a saga, terminei minha última postagem, falando da minha chegada à casa de mamãe. Bem, agora seria um novo ambiente, uma nova forma de dormir, de fazer as necessidades… Segunda semana dormindo sentada. Quanta saudade de dormir de lado! Agora eu acordava várias vezes à noite, com dor no bumbum, nas costas. Eu tinha de levantar e me arrumar, deitar de novo e dormir por mais uma hora, se repetindo até o amanhecer.
Na sexta-feira, recebi a visita da Dra. Bianca, médica da família. Ela ficou um pouco preocupada com meu raio-X e me pediu pra levá-lo pra uma junta de ortopedistas da Santa Casa de Limeira, pois eram seus amigos e na segunda-feira, ela me ligaria, dizendo o que eles acharam do raio-X.
E na segunda-feira, ela me ligou, dizendo que a decisão seria minha; se eu quisesse operar, ela viria em 20 minutos me pegar com a ambulância, me internaria, eu seria operada no dia seguinte e, conforme minha recuperação, eu iria voltar pra casa na quarta-feira, 25 de agosto, meu níver. Se eu não quisesse operar, além de o processo ser demorado, eu correria o risco de embolia gordurosa, quando os ossos grandes do corpo – fêmur e tíbia – ao sofrerem fratura, libera o líquido que corre dentro deles, conhecido como tutano, indo para a corrente sanguínea, podendo entupir as veias coronárias ou algum vaso cerebral, resultando em parada cardíaca ou estado vegetativo respectivamente.
Eu fiquei pálida na hora, apavorada, meu peito apertou e não sabia o que fazer. Eu queria fazer o melhor. Mesmo com a angústia apertando o peito, o medo enorme, eu disse que ia operar. Liguei imediatamente pro Jairinho e pedi orações. Eu estava com o notebook da Ellen, minha irmã, e teclava com alguns amigos e o que veio à mente na hora foi pedir para que orassem por mim; mandei email pra alguns amigos, notificando o ocorrido e solicitando as preces. Em pouco tempo, a ambulância estava ali pra me remover para a Santa Casa de Limeira. Me colocaram em uma prancha de madeira, onde gritei muito. O trajeto da minha casa até a pista é um bom pedaço de terra e sacudia muito, o que me fez chorar muito e gritar a cada solavanco.
Chegamos na Santa Casa por volta das 11h, a doutora foi dar entrada nos papéis de internação e depois foi embora. A médica de plantão, uma residente metida a profissional de grande experiência, me mandou pro raio-X e depois pediu para que os meninos do gesso tirassem as talas móveis e colocassem talas de gesso. Eu gritei demais, pois dependendo de onde eles pegavam, era como se estivessem arrancando a perna. Eu estava cansada de tanta dor e a raiva daquela residente aumentava mais e mais. O que ela sabia ser ou não melhor pra mim? Tá certo que a tala móvel vai se afrouxando com o tempo, mas os calcanhares estavam livres e agora eu teria de aguentar aquela coisa dura.
Tinha uma menina em uma maca ao lado, que quebrara todo o lado direito do corpo em um acidente de carro e depois de ter operado um mês antes, estava de volta no hospital por estar com infecção hospitalar. Ela já estava um tanto depressiva com a própria situação e ao me ver aos gritos, ela chorava e comentava com a mãe, se perguntando como eu, com tanta dor, ainda ria e fazia piadas com o pessoal do gesso. As talas incomodavam muito, principalmente os calcanhares e senti que teria problemas. Eu pedi à minha mãe que guardasse as talas móveis, por não terem saído de graça e poderiam ser úteis depois.
Minha mãe e eu esperamos até as 19h40, quando vagou um leito e eu pude subir para o quarto. Vinte e três de agosto era o dia em que dei entrada ali na Santa Casa. Esperava poder chegar em casa e ainda celebrar meu aniversário, que seria no dia 25. No quarto, me deram janta, mas já colocaram um papel em cima da minha cama, informando que a partir da meia-noite, eu estaria em jejum absoluto. Operaria no dia seguinte e eu estava bem ansiosa com a cirurgia. No quarto, tinha três leitos e o meu era o do meio. Entre os leitos tinha uma poltrona reclinável de um lado e uma cadeira do outro. A poltrona fora ocupada por uma acompanhante e eu fiquei imaginando como a minha mãe dormiria. Ela disse que se viraria. Eu lhe sugeri utilizar o colchonete que foi colocado pra eu ficar encostada na maca, já que eu não coAo meu lado esquerdo, tinha uma senhora, Dona Maria, que se contorcia de dor nos rins; ela se acalmava quando lhe davam soro e remédio forte e assim ela conseguia dormir um pouco. Era angustiante vê-la abraçando as pernas e rolando na cama de dor. Ela dissera que tinha operado e achava que fosse alguma inflamação da cirurgia. Sua sobrinha comentou com a gente depois que os médicos suspeitavam de câncer, mas que ela não sabia disso. Uns três meses depois, ela nos informou que era câncer mesmo e que sua tia tinha morrido.
Ao meu lado direito, estava uma moça de uns 32 anos, mas que aparentava uns 50; ela era muito, mas muito magra. As enfermeiras nos disseram que ela tinha ganhado neném uma semana antes, mas que estava subnutrida. Ela não conseguia engolir, como se o tubo digestivo estivesse entupido e quando ela começava a tossir, saía uma secreção esbranquiçada e viscosa. Não tinha forças nem pra se sentar. Ela gemeu à noite toda e como ela estava sem acompanhante, minha mãe a ajudou bastante, enquanto ficamos ali.
No dia seguinte, fiquei em jejum até às 14h30, quando o médico foi me visitar no quarto e me informou que minha cirurgia fora adiada para o dia seguinte. Liberou minha dieta e se despediu. Minha mãe tinha saído e eu tinha pedido à ela para comprar um notebook, já que o outro estava quebrado e em casa, na hora em que eu mais precisava da net, minha irmã ia lá e pegava o note; afinal, era dela e eu não podia fazer nada. Não tinha TV no quarto (em casa) e eu assistia pela internet. Como eu tinha um dinheiro comigo, dei à minha mãe para dar de entrada e parcelar o restante, que seria pago pelo meu beneficio do INSS, que ela recebe. Ela chegou com uma caixa dentro da sacola das Casas Bahia, mas como eu nunca vira um notebook na caixa, fiquei meio relutante em chutar o que seria, pois a caixa estava embalada. Abri e ali estava o notebook. Ela toda feliz, com senso de missão cumprida, crente de que adquirira exatamente o que eu lhe pedira: 4GB de memória e 500GB de HD. O notebook é muito parecido com o da minha irmã; mesma marca, aparência, mas com praticamente o dobro de capacidade. Eu não queria dessa marca, mas ao mesmo tempo, eu estava feliz por ter um notebook novo. Então eu o liguei e comecei a procurar por algum sinal de wireless e achei alguns, mas não conseguia conectar. Mas pude explorar o conteúdo da máquina, ver os jogos que ela tinha e assim me distraí.
À noite, após a janta, o anúncio de jejum absoluto foi colocado em cima da minha cama. As próximas postagens serão diários escritos na Santa Casa, uma vez que eu não tinha o que fazer e contar o que eu sentia fazia o tempo passar.

Ano novo, vida nova, blog de cara nova

Oi querido(a),
    Muitas coisas mudaram e resolvi dar cara nova ao blog. Espero que vc goste =D
    Estou me ajustando, a fim de postar a continuação da novela.
   Esses dias, uma amiga veio me perguntar por que eu coloquei novela a este episódio da minha vida. Não sei se consegui, mas o objetivo era captar a atenção. Sei que os capítulos são longos e nos próximos, prometo ser mais suscinta.
    Até me deram a idéia de escrever um livro com as postagens deste blog. Achei uma idéia interessante, uma vez que assim que eu recomeçar a testemunhar nas igrejas, como não tenho meu CD, preciso de algo para poder deixar com o pessoal e fazer uma graninha, já que o negócio é gratuito.
    Por falar em CD, ontem a Laura Morena fez uma apresntação na igreja do UNASP - Engenheiro Coelho, onde, pra os que ainda não sabem, estou morando (ainda na casa de mamis). A Laura fez uma programação no formato da minha - uma mescla de testemunho e músicas. Entretanto, ela utilizou vídeos, testemunhos dos famíliares, que falaram do câncer na garganta que ela teve há um ano. As conclusões que ela tirou de sua exoeriência me fizeram pensar em mim e no que tenho enfrentado até aqui. Pareci uma bica, de tanto chorar com o testemunho dela.
    Às vezes, enquanto passamos por problemas, apenas questionamos a Deus da razão de Ele permitir que tantas coisas ruins nos aconteçam. Choramos, esperneamos, não queremos aceitar... Aí algum tempo depois, vc vê o rumo que a sua vida tomou após aquele ocorrido e se pudesse voltar atrás, não mudaria um único detalhe.
    A Laura poderia ter ficado sem a voz, ante o tumor maligno que ela precisou tirar da garganta. Deus lhe devolveu a voz e ela disse que esta voz será dedicada única e exclusivamente em louvor a Ele.
Na minha vida, os médicos disseram sobre as minhas perdas, por causa da doença, entre elas, a voz e a minha vida. Mas isso não ocorreu, porque eu precisava contar isso pra vc hoje e cantar, como eu tenho feito desde os quatro anos. E minha voz não é utilizada pra outro fim que seja o louvor a Deus.
     Fico por hora, mas procurarei voltar em breve, breve.
     Deus o abençoe!! Bjs

Feliz 2011!!!

A Novela vai continuar depois. Parada para a composição do próximo capítulo.
Quero desejar-lhe um feliz 2011 cheio das bênçãos de Deus. Que seus mais doces e lindos sonhos sejam realidade. Faça o bem ao seu próximo e verá uma bênção em dose dupla, pois vc também será abençoado.
Não se desanime frente aos problemas. Ande mais uma milha.
Como disse um palestrante: "Sábio é quem valoriza o que tem antes de perder".